Que Europa é esta?

 

Ao que parece os chamados “rebeldes moderados”, – aliados da Turquia, apoiados, armados e financiados pelos EUA, França, UK, etc. -, liquidaram um dos dois pilotos do caça russo abatido hoje por caças turcos. O avião teria violado o espaço aéreo turco, facto que a Rússia nega, ao mesmo tempo que condena veementemente esta ação. Recorde-se que estava prevista uma reunião em Ancara, para amanhã já, entre a Rússia e a Turquia, para discutir, entre outras questões, a cooperação Rússia-Turquia na luta anti terrorista. Putin durante uma conferência de imprensa, na presença do rei Abdullah II, classificou este ato como “uma facada nas costas” que terá “consequências sérias para as relações russo-turcas”. O avião russo despenhou-se em território Sírio, a 5 quilómetros da fronteira turca, onde também se ejetaram os seus pilotos. http://www.rtp.pt/noticias/mundo/turquia-abate-caca-russo-na-fronteira-com-a-siria-ao-minuto_e876345# Um dos pilotos do avião está desaparecido e outro terá sido capturado e morto por “rebeldes” com sotaque turco. https://www.facebook.com/United.Syrian.Republic/videos/1730624370505056/?fref=nf

É o segundo incidente deste tipo que ocorre em pouco tempo mas este é particularmente grave porque configura um ato de guerra entre duas potências vizinhas, oficialmente amigas e com tradicionais boas relações. A Turquia após estes acontecimentos em vez de contactar a Rússia foi queixar-se à NATO, que logo reuniu de emergência. Putin, a este propósito, ironizou: “Querem pôr a NATO ao serviço do Estado Islâmico?”

A recente intervenção da Rússia apoiando o único exército no terreno capaz de fazer frente e liquidar o “Estado Islâmico”, está a incomodar muito o mundo ocidental. A aviação russa tem destruído massivamente as infindáveis colunas de camiões carregadas de petróleo que passam tranquilamente pela fronteira turca para aí ser vendido. A quem? Naturalmente à Turquia mas também a países europeus, que – ironia das ironias – agora estão a ser atacados por esses ingratos jihadistas… Concentra-se também na destruição de armamento fornecido aos rebeldes “bons” que estranhamente passa quase de imediato para as mãos do ISIS. Entretanto o exército Sírio, graças ao apoio aéreo que agora recebe da Rússia, aumentou a sua eficácia e avança desalojando o ISIS, o que parece não agradar à aliança liderada por Obama criada com esse mesmo fim…

Este incidente vai ter certamente consequências. A Rússia joga muito da sua segurança na guerra da Síria pois, obviamente, não quer regressar aos tempos das guerras da Tchechénia. A Turquia, por outro lado, aliada dos EUA mas também da Arábia Saudita – principal promotor do terrorismo de fachada islamita -, teme o fortalecimento do povo Curdo, potencial aliado da Síria de Assad por força da circunstância de ambos os povos sofrerem às mãos dum inimigo comum. A direita turca que reforçou de novo o seu poder, deita mão a tudo para levar por diante o seu projeto neo otomano, designadamente recorrendo ao terrorismo jihadista, à repressão policial e ao controle fascista da informação. Foi assim que ganhou as últimas eleições. Um estado sírio, secular, e um Curdistão hostil, eventualmente independente, é tudo o que menos deseja e mais teme. Oh da guarda! então, e chama a NATO.

Perante este quadro, a Europa atual controlada pela direita (ou por uma esquerda de pacotilha) não consegue ter uma visão própria, autónoma em termos geo estratégicos. Em vez disso segue ziguezagueando, entre contradições absurdas. Responde à ameaça terrorista no seu território, emocional e demagogicamente. Não aproveita a oportunidade para corrigir os seus erros em matéria de política externa e mais parece fazer questão em agravá-los. Implementa orientações repressivas – em vez de medidas preventivas – que pouco efeito terão em termos da segurança dos cidadãos, e que, a curto ou médio prazo, se não houver nenhuma mudança significativa entretanto, abrirá a porta a novos e mais perigosos incidentes. Em vez de se abrir a alianças inteligentes, em vez de se antecipar aos problemas, desfazendo nós que ajudou a criar, incentivando, por exemplo, o desenvolvimento económico nos países que antes colonizou, fecha-se, entrega-se nas mãos de potências que só geraram conflitos nas últimas décadas e abre as portas do poder à direita fascista.

Hollande foi a Washington receber instruções para a conversa que vai ter amanhã em Moscovo. Foi logo prevenido de que Assad e a Rússia “fazem parte do problema, não da solução”… A solução – segundo Washington – está na coligação de estados, de que fazem parte, entre outros, a Arábia Saudita, o Qatar, e agora a Turquia, que são promotores comprovados do terrorismo… Tudo países que não respeitam as liberdades e os mais elementares direitos humanos mas que à viva força os querem impor a terceiros de que não gostam.

Pergunta-se: Que raio de socialista é este Hollande? Que Europa é esta que parece andar a clamar por uma Terceira Guerra Mundial?

Daniel D. Dias

acordar

 

 

perco-me no sono

abandono-me sem receio nessa floresta de sombras

onde já não habitam feras nem fantasmas

 

e acordo, saturado dessa proteção intangível

sempre um pouco mais nu e mais lúcido

 

a luz que me acorda  é cada vez mais intensa

devassa a minha mente e aniquila residuais fantasias

magoa os meus olhos cansados

 

fico disponível, atento, em estado de prontidão

mais do que nunca estive

e no entanto a indiferença cresce em mim

com a persistência duma hera

 

não estou alegre nem triste

nem tenho planos:

estou simplesmente aqui…

 

será isto a vida, este acordar sem projeto?

 

Daniel D. Dias

Coisas do meu vizinho – 2

Cruzámo-nos na escada. Desta vez fui eu que iniciei a conversa, mas com receio, confesso. As conversas com o meu vizinho são com frequência muito “puxadas” e, ainda pior, empatam-me muito tempo. Mas vi a cara dele, logo pela manhã, e parecia-me pálido – esverdeado -, consumido. Algo não estava bem.
– Vizinho, bom dia. Tá visto que não descansou.
– É verdade. Mal descansei. Tenho que cortar com a televisão… Bom dia também para si.
E parecia que ia ficar por ali. Continuou a subir as escadas. Pelo que conheço dele isso não era coisa normal. Insisti.
– Foram os atentados de Paris, está visto. Não dão mais nada e as pessoas impressionam-se…
Parou.
– Não foi nada disso. – Disse de tal modo, perentório, que mudou logo de cor. A sua cara tomou um súbito tom avermelhado.
– São as mentiras dessa canalhada que me põem assim. As mentiras e o descaramento. Os atentados já não me espantam. Revoltam-me mas não me espantam. Como sabe tenho o vício dos noticiários e acompanho mais ou menos o que vai por esse mundo. E o que vejo? É rara a semana que não há carros bomba, bombas e bombistas suicidas, a explodir. Ainda há dias um avião russo explodiu no Egipto com duzentas e tal pessoas a bordo. Todos dizem que foi uma bomba e eu acredito que sim. No Líbano, na semana passada também foram mortas dezenas de pessoas noutro atentado. E os que são mortos a toda a hora no Iraque, na Síria, na Líbia, por esses mercenários criminosos, – rebeldes “bons” e rebeldes maus do “Estado Islâmico” – também contam, não acha?
Assenti com a cabeça.
– Por isso atentados já não me tiram o sono. Pelo contrário: a monotonia de passarem horas a repetir que estão espantados, chocados, com os acontecimentos sangrentos, quase me dá sono. Esta malta estava à espera de quê? Os jovens estão desempregados na casa dos 50% ou mais. A sociedade, ignora-os, discrimina-os ou trata-os como imbecis. Que futuro lhes oferece? Participação em “reality shows” onde exibem figuras ridículas; estágios, em hipermercados como caixas, em discotecas como seguranças; empregos temporários a fazer de papagaios em “call centers” , como rececionistas, como vendedores de inutilidades ou aldrabices à comissão… Ainda por cima acirram-nos com patacoadas – é preciso vencer, ser competitivo, ambicioso… Depois é o que se vê: Alguns tornam-se marginais, drogam-se, roubam, suicidam-se, outros, empregam-se como mercenários para fazer guerras, aqui ou ali, ou então vão parar ao “Estado Islâmico”… É “trabalho” que dá dinheiro que se vê e o pessoal sente-se valorizado. Ao mesmo tempo praticam uma espécie de desporto radical. Radical a sério. Que é que se espera? Até os jogos de vídeo os mentalizam para estas coisas desde putos…
– Mas então o que é que lhe fez tirar o sono? – Perguntei curioso.
– Ora, não viu? No meio daquela panóplia de declarações de solidariedade vindas de todo mundo – e das esparvoadas intervenções do Hollande a prometer isto e aquilo e que a coisa não ficará assim -, aparece-me aquela minúscula criatura do SarKozi, com a bandeira francesa por trás como se ainda fosse chefe de estado, a prometer vinganças, correções no sistema de segurança, etc. Está a esperar voltar, pelos vistos…. e voltará mesmo! Um tipo que destruiu completamente um estado – a Líbia -, que mandou matar o chefe desse estado que lhe tinha financiado a campanha eleitoral, que é suspeito de vários crimes graves, até mesmo em França, não só não está preso, como aparece nesta altura como potencial presidente e a cagar sentenças (desculpe-me a linguagem) sobre os crimes que ocorrem em França e no mundo, em grande parte por causa dele… Como é isto possível?
As carótidas do meu vizinho, à medida que falava, inchavam de indignação. Receava que rebentasse.
– Tenha calma vizinho. Algum dia a verdade virá ao de cima… – Contemporizei eu a ver se o acalmava.
– Qual quê! Acredita nisso? Os alemães com a ajuda do Clinton e da NATO, destruíram a Jugoslávia. O Bush, com o Aznar, o Blair e o Barroso, destruíram o Iraque, o Sarkozy, com Berlusconi e o Obama, destruíram a Líbia. Se fosse só isto? Mas o pior é que a mulher do Clinton – que colaborou nisto tudo – não tarda, é presidente dos EUA e o Sarkozi, não tarda volta a ser presidente de França… O Blair, por ora não precisa: já tem um tacho para “ajudar” a Palestina. E o Bush? O Obama? E os outros? Estão todos bem. Estão todos melhor. Afinal o TPI serve para quê? Só para perseguir africanos e sérvios?
– Não sei, vizinho. Não sei mesmo. Mas deixe lá. Esta vida são dois dias e essa malta também morre… Vamos tomar uma bica?
– Pois morre, pois morre… – Ficou a rezar o meu vizinho. E ignorando o meu convite, retomou a subida da escada. Lentamente, como de costume.

Daniel D Dias

Coisas do meu vizinho

 

Mal saía de casa – ia fazer umas compritas – o meu vizinho viu-me. Já sabia que ia haver conversa.

– Então vizinho, está satisfeito com a situação? – a situação, era, claro, a situação política do momento, e o meu vizinho não perdia tempo.  Ia, como de costume, direito ao assunto.

– Não sei, – esquivei-me à resposta –  ainda estou a digerir…

– Sabe o que eu penso? (Não esperou pela resposta) Estes tipos – referia-se à coligação PSD-CDS – tinham-na toda fisgada. E há já muito. Já se sabia que Sócrates era o alibi perfeito. Sendo o culpado do estado do país estes tipos podiam fazer tudo o que quisessem. O Seguro era o que lhes estava a calhar pois também alinhava com eles a culpar o Sócrates. O Costa é que lhes veio lixar o esquema. Além disso já andava a falar demais. Pô-lo como comentador não deu os resultados que estavam à espera. Por isso prenderam-no nas vésperas do congresso para eleger Costa…  Está a ver qual era a intenção?!

Não respondi. Sabia que ainda não terminara.

– Mas como não conseguiram lixar o Costa com a prisão de Sócrates, trataram de arranjar mais tempo para impedir que o PS tivesse a maioria absoluta que em maio ou junho (quando deviam ter sido as eleições) estava garantida. Lembra-se das sondagens?

Acenei-lhe que sim.

– Tudo apontava para isso. Portanto era preciso esticar mais o tempo e o “chefe” fez-lhes a vontade: marcou as eleições para outubro, altura em que já não podia dissolver o parlamento. Mas se tudo corresse como o previsto isso já não teria importância. A reeleição estaria já no papo. Havia confiança absoluta na propaganda do “seu” governo e dos governos europeus amigalhaços, baseada na ideia de que já estava tudo bem, que a crise em Portugal era coisa do passado, que Portugal não podia seguir o exemplo da Grécia… A habitual colaboração – quase total –  dos jornais e das televisões e um verão mais ameno haveriam de consolidar os resultados. Contavam ainda com os partidos da esquerda que não poupariam o PS, como, aliás, não pouparam. Já viu: A fé na vitória era tão grande que até soltaram o Sócrates na véspera das eleições…

– Vizinho: desculpe lá… – fiz menção de me ir embora mas ele ignorou o meu gesto.

– Mas o Costa trocou-lhe as voltas, percebe. Quem perde as eleições geralmente demite-se e Costa não fez isso. Se o tivesse feito os herdeiros do Seguro teriam voltado e dariam cobertura à maioria relativa da coligação a troco dumas concessões ligeiras. Costa já estava preparado e entalou-os. O que não pôde fazer antes – porque não teve maioria absoluta – fê-lo depois com uma esquerda  que sabia que se não o apoiasse ajudaria de novo colocar a direita no poder. Os eleitores dessa esquerda não lhe perdoariam. Costa fez o que já tinha ameaçado: Juntou-se a eles e formou uma maioria… Que mal tem isto?  Que não é tradição, que o povo não votou para isto…  Se calhar não, mas que importa?  O certo, certo, é que a direita  iá contava com o ovo no cu da galinha e a coisa saiu-lhe furada. Está a perceber? Estão lixados. Quando lhe convém é democrática quando não lhe convém bradam às armas. É preciso ter cuidado com esta malta…

– O vizinho é que tem de ter cuidado com o que diz. Há gente que não gosta dessa ideias… – disse-lhe sorrindo e afastando-me, desta vez decidido.

– Não se preocupe vizinho – ainda lhe ouvi, já ia eu escada a baixo – já estou velho… Borrifam-se pró que eu penso…

Daniel D. Dias