Sinais inquietantes

 

Desejar uma coisa – consciente ou inconscientemente – e ao mesmo tempo o seu oposto, ou receá-la, é a essência da neurose. Pavlov mostrou como se podia produzir experimentalmente esse fenómeno. Alimentando um cão esfomeado sempre que lhe mostravam um foco de luz circular, ao fim dum tempo de consolidação do hábito, o animal reagia, salivando, visionando apenas o sinal luminoso (estímulo associado “agradável”), sem precisar da comida. Paralelamente condicionava-se o animal com outro estímulo associado mas desta feita nada agradável. Infligiam-lhe choques elétricos, sempre que era projetado um foco de luz com forma de barra retilínea em vez do círculo. Passado algum tempo já não eram precisos choques elétricos: a simples exibição desse sinal luminoso bastava para que o cão entrasse em pânico.

Os efeitos da neurose produziam-se quando o cão era submetido a um novo foco luminoso. Inclinado a 45º, o projetor gerava agora um foco luminoso oval que era percecionado ambiguamente pelo animal: insuficientemente redondo para desencadear o desejo pela comida, mas tendencialmente reto a fazer recordar o sinal aterrorizador, a oval tinha algo dos dois estímulos opostos (satisfação e sofrimento) e gerava inquietação e desconfiança. Mas, continuando a reduzir o ângulo do projetor, tornando a oval cada vez estreita – cada vez mais parecida com a barra retilínea associada ao sofrimento -, o cão atingia o paroxismo: desatava a uivar, a urinar, a ladrar, descontroladamente, tentando fugir. Podiam então apresentar-lhe alimento que não comia, apesar de estar esfomeado. Assim se manifestavam os sintomas duma crise neurótica artificialmente induzida.

As sociedades humanas são, seguramente, estruturas muito mais complexas do que as dos cérebros dos cães de Pavlov mas, ainda assim, parecem também comportar-se neuroticamente. As ideologias dominantes – que se manifestam, entre outras coisas, na educação, nas tradições, na comunicação – habituaram as pessoas a determinadas expectativas “agradáveis”, com o objetivo de obter delas cidadãos obedientes e colaborantes.

Mas as governações, em consequência dos jogos de poder e dos interesses egoístas que persistentemente lhes subjazem, acabam repetidamente por mergulhar em contradições, não correspondendo àquilo que prometem, defraudando expectativas. Nos períodos “bons”, os governos lograrão resolver ou atenuar as tensões assim geradas: cedendo parcialmente às pressões existentes, recorrendo a ações demagógicas. Mas também recorrendo a repressões controladas combinadas com medidas “paliativas”. Estas ações poderão acalmar temporariamente ânimos sociais exaltados evitando deflagrar conflitos latentes, ou diferir os problemas para alturas mais favoráveis.

Nos períodos “maus”, nas crises mais agudas, as manifestações neuróticas surgem reforçadas. Os medos, das repressões violentas, da miséria social extrema, o terror da ruína e da falência, renascem no “inconsciente coletivo”. É o tempo de surgirem entre as grandes massas, os “duces”, os falsos messias, que anunciam soluções milagrosas e defendem ideologias alienantes. Então, os poderes exercidos com regras são postos em causa e as pessoas tendem a apreciar mais a força do que a razão. Guerras surgem em geral no corolário destas situações.

Pergunto-me: Será que vivemos num tempo destes? Não tenho a certeza disso e espero bem que não. Todavia há por todo lado sinais inquietantes que me fazem ter vontade de apelar ao Dr. Freud e de recolher-me num confortável divã…
Daniel D. Dias

Seguindo maiorais

 
 
Grande parte das pessoas leva longe demais a sua passividade e não quer – ou não consegue – perceber esse facto. Procura culpados e quase sempre consegue encontrá-los. Claro que existem culpados porém eles crescem, progridem, fortalecem-se, com a cumplicidade, com o beneplácito, ou com a indiferença da maior parte de nós.
 
Quando as situações se agudizam as pessoas tendem a optar pelas soluções mágicas por vezes muito extremas. Os atuais ideólogos que surgem pelo mundo e a que chamam “populistas” – gente ridícula geralmente protofascista – fazem parte dessas opções mágicas. É gente extrovertida, descarada, que afirma e promete coisas perigosas, até mesmo absurdas. As pessoas, porém, estranhamente, parecem apreciá-la e seguem-na. Creio que o fazem para aliviar-se, porque estão revoltadas ou desesperadas, mas talvez também, para não se comprometerem com a ação cívica. O grande público, não conhece ou esquece com facilidade as lições da história. E em situações extremas, é sempre mais fácil fazer de carneiro e seguir maiorais, do que enfrentar desafios.
 
Creio que na base de tudo isto está a desigualdade social, que é bem real, mas que é percecionada de forma idealizada. Tal facto resulta da ignorância política que hoje é cultivada deliberadamente, com denodo e até com suporte científico. O mundo percecionado pelas pessoas é irrealista, quase imaterial, porém a realidade, o dia-a-dia, as matérias-primas base – dos carros, das casas, dos aparelhos, a energia, as estradas, os alimentos – tudo isso e muito mais que não está à vista, não é virtual, continua a ser bem real e analógico, bem pesado e opaco, a esgotar os recursos da terra e, claro está, a dividir-nos. As pessoas vivem uma realidade diferente daquela que percecionam. Sentem, sofrem com isso, mas parece não interessar-se em entender a génese dos problemas. Conformam-se com explicações simplistas. É por isso que personagens sombrios – Trumps, Le Pens e outros que tais – podem proliferar e chegar ao poder com surpreendente facilidade.
 
Este mundo “faz de conta”, que trata como mercadoria, amor, alimento, saúde, fraternidade, simula ser humanista, promete soluções, mas não consegue por as pessoas a viver melhor. A “peste emocional” – de que falava W.Reich – continua a ser uma tremenda realidade e a envenenar a nossa existência.
Daniel D. Dias

A hidra

 

 

 

Da remota hidra milacéfala um hálito pestilento subsiste

que ameaça de morte a pulsão pela luz, essa mutação persistente dos humanos

 

A verdade  – cada vez mais radiosa – decai sob esse hálito bafiento

estilhaça e decompõem-se nos pauis da miséria e do temor

 

Dos seus detritos se fabricam elixires que promovem glórias vãs

equivocas perfeições, avulsas felicidades temporárias

 

A hidra vai assim logrando recuperar a sua cabeça perdida

e força a humanidade a perder a sua e a regressar à primeva gruta onde nasceu

 

Daniel D. Dias