Mundo cão

 

A exibição da desgraça humana é algo abominável só comparável à atividade dos necrófagos. Mas enquanto estes têm o respeitável papel de limpar o ambiente de detritos mortos obviando a doenças e pragas, os “media” que vivem de exibir desgraças e misérias humanas, comprazem-se em cultivá-las e difundi-las com o exclusivo interesse de lucrar com isso.

Os pretextos para tão execrável atividade são a procura culpados das desgraças que vão acontecendo, demagogicamente acenando com justicialismos típicos das ideologias extremistas. Na realidade esse jornalixo nunca se preocupou com justiça digna desse nome e sempre esteve, e continua a estar, ao serviço de interesses retrógrados, que são a causa direta ou indireta de muitas das desgraças que eles próprios se dizem denunciadores.

Há umas décadas (1962) fez furor um tipo de documentarismo precursor deste atual jornalixo. G. Jacopetti, lançou então o “Mundo cão” que procurava chocar os espectadores mostrando atos degradantes que se praticavam por todo o mundo. Vendo o seu filme e os que se seguiram nesta linha, a ideia que ficava é que não havia esperança para a humanidade. Um tempo depois descobriu-se que Jacopetti chegava a conluiar-se com promotores de massacres para obter filmagens em direto, no terreno, para lograr o maior efeito possível, tal como fez e ainda faz a TV brasileira (assaltos, traições, assassínios em direto, combinados, até talvez, encomendados).

Por cá progridem os “media” sensacionalistas destacando-se, Correio da Manhã, Sol, TVI, SIC, CMTV, mas sendo comum em quase todos os outros “media” existentes, até mesmo os públicos, essa “linha editorial” que explora escândalos e desgraças.

Os fogos florestais estão a ser, como é óbvio, um imenso manancial para esses necrófagos da informação. Ainda mais havendo vítimas mortais. A TV especializada a explorar esse tipo de acontecimentos, em nome dum sentimentalismo hipócrita, de pacotilha, não se cansa de repetir imagens e notícias chocantes, exibindo em direto o sofrimento de pessoas e as suas reações emotivas, frequentemente desorientadas ou revoltadas pelas circunstâncias que estão a sofrer. Chama-se a isto jornalismo? Como se houvesse qualquer ponta de humanidade na devassa do sofrimento humano.

Mas esta gente que em nome da “informação livre” presta este tipo de informação, não tem apenas por objetivo ampliar audiências. Procura também promover as forças do retrocesso político que agora estão na mó de baixo. Com as suas “figuras públicas” – que cultivam meticulosamente – e os seus comentadores “especializados”, a pretexto da justiça, da caridade e da solidariedade humana, procura semear a dúvida na opinião pública e criar condições para minar a via política que está a ser perseguida pela atual maioria, explorando as suas eventuais fragilidades e contradições, não hesitando mesmo em fabricá-las.

É curioso que os críticos da resposta das atuais autoridades à catástrofe dos incêndios tem como referência no seu discurso os “últimos 40 anos”. Parece um lapso freudiano: dá ideia de que as desgraças são coisa que poupou o “antigo regime” e que são específicas do atual regime democrático…

Ontem foi anunciado, dir-se-ia entusiasticamente, a queda dum avião de combate aos fogos. A notícia foi desmentida de imediato pelas autoridades que estão a operar mas alguns jornalistas que recebiam essa informação ficaram inconsoláveis – “fora de pé” como disse sentir-se a jornalista da SIC – http://sicnoticias.sapo.pt/especiais/tragedia-em-pedrogao-grande/2017-06-20-Protecao-Civil-admite-buscas-mas-nao-confirma-queda-de-aeronave. Pudera, não acertaram na desgraça e lá se foi uma oportunidade de aumentar audiências.

Nos nossos “me(r)dia” o “Mundo cão” parece não ter fim à vista.

Daniel D. Dias

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s