No outro lado

 

 

Não é possível mudar

apenas simulando a mudança

 

não é possível viver

apenas simulando estar vivo

 

a importância do que parece

supera a importância do que é

 

assim é há milénios

já no tempo dos faraós assim era

desde as cavernas que assim é

e assim, parece, vai continuar

 

o simulacro do viver é o nosso drama

drama reversível

em qualquer  momento

n o outro lado do espelho

 

Daniel D. Dias

Desencontro

 

 

 

Sinto que o poema está aí

na frustração

no medo difuso

nesse vaguear inquieto das ideias

 

E logo procuro palavras

que moldem a sua face

para que o sinta, para que o veja

pois que o poema

– se não é simulacro –

é dom da natureza

desincrustrador  de existências

 

Mas as palavras não acontecem

 

só a providencial batida desse  relógio

me salva a tarde

 

 

Daniel D. Dias

Diferença

 

 

Na disputa dos locais de repouso

aquele bando de corvos

rasga o silêncio do céu límpido

com seu roufenho grasnar

 

Um melro abandona um ovo no ninho

e parte rápido na direção dessa réstia de sol…

que buscará o melro

nessa extravagante viagem?

 

O gato tudo observa e abana a cauda

levemente, em aparente indiferença

e apenas eu, conto tempo, e tenho idade

neste cálido entardecer

 

 

Daniel D. Dias